Pesquisa

HallowFest07

O evento maior da SoundFactory está de regresso no dia 8 de Dezembro. O HallowFest tem vindo a realizar-se desde o ano 2000 no Hard-Club, mas terá inevitavelmente nova morada em 2007, visto que o seu palco tradicional já não existe. No entanto e em jeito de aparente nostalgia, o HF07 terá um endereço semelhante, a mesma panorâmica sobre o rio Douro e a ribeira do Porto, e permite até avistar o antigo edifício sede do evento… O CLUB ROCK’S fez parte do programa no ano passado, com uma mega-festa de duas pistas de dança, Rock e Electro, e será em 2007 adaptado para receber também os concertos, reunindo assim as duas partes do evento numa única morada.

Com a mudança de palco, e pelas inerentes condições logísticas, o programa de concertos do HallowFest neste ano concentra-se apenas na música electrónica independente. Mas tal como em 2006 com New Model Army, um outro evento é destacado no âmbito do Rock Post-Punk.
Eva O, Rikk Agnew e James McGearty formavam com o já falecido Rozz Williams a mítica banda que gravou “Only Theatre of Pain” em 1982. 25 anos depois, e sem qualquer relação com o trabalho errático actual de Valor Kand, regressa aos palcos a formação original dos Christian Death, numa digressão única que encerra em Lisboa no próximo dia 1 de Dezembro na Caixa Económica Operária. O concerto do ano em termos de Deathrock insere-se numa das sessões Graveyard, que por seu turno visitam o Porto na semana seguinte, para ocuparem uma das pistas de dança do evento no Club Rock’s.

O HF07 apresenta ao vivo cinco propostas que exploram diversos percursos na música Industrial e Electro. A abertura do evento realiza-se na sala panorâmica, e é protagonizada pela instalação multimedia Ambient-Tribal-Noise Mikroben Krieg. Fundado em Leiria em meados da década passada, é um dos mais antigos projectos portugueses no activo, no contexto da música electrónica experimental, tendo recentemente editado a antologia “Possessive Memories” pela Enough Records.
A simbiose com o local é completada nesta actuação com o registo vídeo a cargo de L’Ego.

Com o final da primeira actuação vem a abertura da sala interior. A introdução do 2º acto da noite surge decidida à revolução.
No dia em que a cena Electro-Industrial descobriu a zona psicadélica do Trance, logo se gerou uma nova direcção na música electrónica alternativa, perturbadora e hipnótica. Oriunda do Porto, a conspiração PsychotekTrauma representa esse salto para o desconhecido, numa experiência que ainda só agora começou, e no entanto já explora uma linha conceptual muito própria. “More than Human” é o disco em apresentação.

O programa prossegue no âmbito de novas correntes, e neste caso naquela que dilui e destila o Noise no Electro. FabrikC transporta-nos para a dança automática em instalações industriais obscuras e estroboscópicas. O primeiro álbum editado em 2005 materializou a ideia e superou todas as expectativas. Dois anos depois, o lançamento do novo “Impulsgeber” é outra das boas razões para a sua esperada estreia em Portugal.

E eis chegado o momento certo para o regresso em grande dos Spetsnaz! Foi a banda que abriu o HallowFest de 2004, com uma actuação irrepreensível e de boa memória para o público presente. Herdeiros do EBM em estado puro, são em boa parte responsáveis pela revitalização das raízes do seu género específico. A identificação com Nitzer Ebb é inegável e saudável, mas não resume o potencial em crescente progressão de que “Totalitaer” é um bom exemplo. A consagração dos suecos Spetsnaz no regresso a Portugal inclui ainda o lançamento do novo disco “Deadpan” em simultâneo.

A fechar a programação dos concertos, sobe ao palco um dos paradigmas da música electrónica não-comercial contemporânea. Haujobb é um raro exemplo de abertura a novos caminhos, sem compromissos rígidos com um ou outro sub-género específico, antes procurando estar sempre à frente do seu tempo. O projecto teve origem em 1992 na Alemanha, pelas mãos de Daniel Myer e Dejan Samardzic, e num percurso apenas comparável a Skinny Puppy desafiou conceitos com sucessivas incursões por ambientes sónicos diversos, do Electro-Industrial ao Drum’n’Bass, da IDM ao EBM, das guitarras ao Techno. Homes & Gardens, Freeze Frame Reality, Solutions For A Small Planet, Polarity, Vertical Theory, entre outros, são registos que elevaram as fronteiras da metamorfose electrónica a um nível de excepção. Pelo caminho contam-se ainda inúmeros projectos paralelos, como Cleaner, Architect ou Destroid. Numa altura em que o seu percurso aparenta vir a terminar em breve, os Haujobb apresentam-se em Portugal pela primeira e talvez única vez, para uma actuação que promete tornar-se mítica e decididamente a não perder.

A segunda parte do HallowFest07 transforma o Club Rock’s numa mega festa da cena alternativa. Logo após os concertos abrem as duas áreas de dança, e a partir das 02h00 instalam-se as festas Graveyard e Underworld em simultâneo, numa oportunidade invulgar em Portugal de experimentar vários espaços com sonoridades distintas. A sala panorâmica recebe o colectivo das Graveyard Sessions de Lisboa para um programa dedicado ao Rock, Postpunk, Gothic e Deathrock. A sala interior dá lugar ao Club Underworld, focando Electro, Industrial, Cyberpunk e EBM. O mais antigo festival português de música independente está de volta.


NotĂ­cias relacionadas

HallowFest07 em review

Excursão Lisboa HF07

Bandas do HallowFest07

Christian Death 1334 Lisboa

HallowFest em 2007